Literatura Fantástica



Este é um recanto onde podemos nos aventurar pelos caminhos da literatura de fantasia. Fale de seus livros prediletos, divulgue seus textos, divida notícias e fique sabendo sobre uma série de promoções. Se você gosta de uma boa história de ficção, este é o seu lugar!

Registre-se e se junte a nossa comunidade!

Tudo o que você precisa saber sobre literatura de fantasia. Muitas notícias, discussões e promoções. Participe!


    [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Compartilhe

    Amy Moore

    Mensagens : 10
    Data de inscrição : 22/02/2010
    Idade : 23
    Localização : Praia Grande-SP

    [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por Amy Moore em Qui Fev 25, 2010 8:53 pm

    Bleeding Love Life Lies
    Por Amy Moore

    Nota da autora: Essa fanfic é totalmente voltada para o livro Harry Potter e o Enígma do Príncipe. Meio que é a minha versão da história. Realmente espero agradar, e críticas sempre serão bem vindas!

    Descrição: A minha vida mudou drasticamente. O que antes era apenas fantasia, agora é total realidade. Eu tenho de viver cada dia como se fosse o último, pois eu não sei como vou acabar nessa história. Eu posso morrer a qualquer momento. Só o que eu não posso é deixá-lo morrer. Isso seria pior do quer ter a morte em si.



    Prólogo
    You Leave Me Crying

    O quão longe eu vou por amor?
    Eu me fazia essa pergunta constantemente, mas eu mesma não sabia responder.
    Enquanto o observava partir, deixando-me para trás, arrasada, eu sabia que iria bem longe por ele. Que seria capaz de dar a minha vida para vê-lo bem. Feliz. Vivo.
    Eu só não sabia se ele faria o mesmo por mim.
    Enquanto as lágrimas rolavam por meu rosto, olhei para Harry e vi que ele também me olhava. Seus olhos expressavam o mesmo que os meus.
    A dor.
    — Tudo vai ficar bem — disse-lhe. — Só não sei quando.



    Capítulo 1
    Segredo Revelado

    Eu não consigo entender porque tenho que gastar tanto tempo me arrumando para ir a uma festa de aniversário. Eu não pedi para ser debutante (obrigada, mamãe). Só faço isso porque Bruna é minha amiga, quase uma irmã. Ok, ok, vai ter fotógrafos registrando o momento, mas eu realmente preciso perder 6 horas do meu dia em um salão de beleza, só porque minha mãe acha que isso é necessário para eu estar “apresentável”?
    Eu não mereço.
    Como já deve ter ficado bem claro, eu tinha uma festa para ir nesta noite. Há seis horas estou sentada em uma cadeira no salão de beleza de minha exagerada mãe. Ela fechou o salão neste dia só para poder cuidar de mim. Ela e suas amigas/funcionárias trabalhavam em mim até agora.
    — Seu cabelo é muito bonito — dissera Beth, um tempo atrás.
    Começaram a discutir os tons que mais combinariam comigo.
    Yupi!
    — Ah, ela é linda — disse Maria, como se encerrasse o assunto. — Márcia, sua filha é uma garota e tanto. Linda, inteligente...
    Revirei os olhos, ignorando o que provavelmente eram grandes mentiras e peguei meu exemplar de Harry Potter e as Relíquias da Morte, me preparando para mergulhar profundamente no mundo da magia. O mundo que eu tanto amava.
    Pena que magia não existe, pensei amargamente.
    Eu estava na parte em que Harry, Rony e Hermione são descobertos em Gringotes quando senti minha garganta arder. Só Deus sabe a última vez que eu bebi qualquer líquido. Olhei ao meu redor, esperando ver Maria e Beth para pedir a uma delas que pegassem um copo d’água para mim, mas não as vi.
    — Onde estão Maria e Beth? — perguntei a minha mãe.
    — Elas foram embora há pouco — respondeu.
    — Hum.
    Nossa. Quanta atenção dei a elas.
    — Por quê?
    — Ah, nada, eu ia pedir água...
    — Desculpe, querida, mas não posso pegar agora — Seu tom de voz encerrava o assunto. Olhei vagamente para um dos cantos do salão, onde havia uma pequena geladeira. Eu estava com sede... Horas e horas sem beber água! Mas nem podia levantar. Eu sabia que ali dentro havia uma lata de coca-cola, bem gelada... Tão perto, porém tão distante...
    Sorrindo de um jeito idiota, me imaginei com uma varinha em mãos, murmurando o encantamento que traria a coca-cola até mim. E, para completar a minha idiotice e infantilidade, pensei no dito encantamento:
    Accio coca-cola!
    De olhos arregalados, observei a porta da geladeira se abrir e bater na parede com um baque surdo e a lata voar pelo lugar e bater na minha face. Tudo isso num segundo. A porta da geladeira jazia aberta, como que para provar que a lata de coca-cola havia saído de lá.
    — Ai! — exclamei, tocando meu nariz, logo percebendo que ele estava sangrando.
    — Deus do céu, que foi isso? — Minha mãe por pouco não derrubou a chapinha no chão.
    — Eu não sei — eu disse, limpando o sangue que escorria de meu nariz, ignorando a dor. Ela levou alguns minutos para se recompor, mas logo voltou a alisar meu cabelo.
    — Depois eu limpo isso.
    Eu estou louca, pensei comigo mesma. Ando pensando demais em Harry Potter... Olha só como eu estou, imaginando coisas!
    Só que não tinha como eu ter imaginado aquilo. A dor, o sangue... E minha mãe também percebeu, ela também viu. Como posso ter imaginado?
    Não encontrei uma explicação.
    Minha mãe quase surtou quando viu o machucado no meu rosto. Mais uma vez, lotou minha face de maquiagem.

    A festa foi super legal, mas eu passei a maior parte do tempo me concentrando em não cair de cara no chão. O que se passara naquela tarde não saía de minha mente. Era tão intrigante que eu não conseguia esquecer. E quando eu saí da festa, isso só havia piorado. Tornara-se uma espécie de necessidade minha saber se era loucura ou realidade.
    — Boa noite, mãe — eu disse e fechei a porta de meu quarto, acendendo a luz logo depois. Sentei em minha cama, ainda naquele vestido rosa e enorme de debutante e tirei os incômodos sapatos de salto agulha. Não podia mais esperar.
    Estendi minha mão, olhando para o celular sobre a escrivaninha. Respirei fundo.
    Accio celular, pensei.
    O celular estava em minha mão estendida quando eu olhei para ela.
    — Meu Deus! — exclamei, alto o suficiente para que minha mãe ouvisse, e isso fez com que eu me calasse.
    Eu não sabia o que pensar.
    Pasma, eu me levantei e caminhei até o meu armário. Tirei o meu pijama de lá, peguei uma toalha limpa e fui para o banheiro.
    Enquanto a água caía sobre meu corpo, as únicas coisas que eu conseguia pensar eram esses estranhos acontecimentos. Quase adormeci de pé, e logo tratei de sair do box e me secar. Já vestida e limpa, voltei para o meu quarto pouco iluminado. A única iluminação vinha do pequeno abajur em minha mesa-de-cabeceira, que jogava uma delicada luz azul pelo meu quarto. Vagarosamente, caminhei até a janela. A noite estava consideravelmente bela se levarmos em conta que era o mês de julho. Dava para ver a bela lua cheia sorrir para mim. Debrucei-me para apreciar a beleza, respirando profundamente o cheiro da noite.
    E então, alguma coisa me jogou de costas no chão e um grito agudo e profundo escapou de minha boca.
    Assustada, olhei para a coisa que batera em meu rosto e me fizera cair. Se antes eu tinha me assustado, imagine o meu pavor quando eu percebi que era...
    Uma coruja. Isso aí. Preparem a camisa de força, pois sua amiga aqui precisa. E muito. Esperei que minha mãe aparecesse ali, mas não, graças aos céus.
    Quando me recuperei do susto, olhei para a pequena coruja que me olhava com aqueles olhos amarelos e inteligentes com curiosidade. Não me surpreendi ao ver que havia um bilhete preso a perna da ave. Tratei de puxá-lo.
    Ao abrir, deparei-me com uma caligrafia fina e inclinada, que era totalmente desconhecida.

    ****

    Cara Srta. Gabriela Muniz,
    Gostaria muito de conversar pessoalmente com a sua pessoa. Temos assuntos importantes a tratar. Creio que a essa altura senhorita já saiba quem eu sou e de que quero falar-lhe.

    Cordialmente,
    Alvo Dumbledore.
    Ps: mande a resposta por essa mesma coruja, por favor. Aguardo-a imediatamente.


    ****

    — Dumbledore?!
    Pasma? Era uma palavra pequena em dimensões para especificar o que eu sentia. Era tão surreal! Eu, lendo um bilhete escrito por Dumbledore, enviado através de uma coruja! Deus, se eu não estou louca...
    Peguei sem demora um caderno e uma caneta e tratei de escrever uma resposta.

    ****

    Caro Sr. Dumbledore,
    Eu sei quem o senhor é e aguardo ansiosamente sua visita. Como estou de férias, o senhor pode vir a minha casa quando lhe for conveniente. Estarei aqui para recebê-lo.

    Atenciosamente,
    Gabriela Muniz.


    ****

    Dobrei o bilhete cuidadosamente e coloquei-o preso a perna da coruja. Ela levantou vôo e desapareceu na escuridão da noite.

    Dormir me pareceu uma missão quase impossível. A cada vez que eu fechava meus olhos, as mesmas palavras me vinham à mente.
    Eu sou uma bruxa.

    Antes que eu conseguisse fechar os meus olhos, o sol espreitava pela janela. Eu não conseguiria dormir, mesmo estando cansada, e sabia disso. Assim sendo, me levantei e fiz minha higiene pessoal e, quando terminei, resolvi limpar a casa. Não tinha nada para fazer e minha mãe merecia descansar neste domingo. Além de tudo, eu estava muito inquieta.
    Só quando acabei toda a limpeza, meus pais acordaram e, juntos, foram preparar o café da manhã.
    Estava sentando a mesa já posta, sentindo o cheiro delicioso das panquecas, quando ouvi alguém bater a porta. Corri para atender.
    Olhei para a figura alta de nariz torto, óculos meia-lua, cabelos e barbas prateados e longos, com vestes roxas chamativas e incomuns. O sorriso que ele me dava era simpático. Seus olhos me avaliavam com curiosidade.
    — Sr. Dumbledore! — exclamei, em português. Seu sorriso se alargou para mim.
    — Olá, Srta. Muniz. — Ele também falava comigo em português, com um leve sotaque britânico.
    — Gabriela — corrigi.
    — Gabriela — disse, ainda sorrindo.
    Olhei-o por um momento, me perguntando se isso era real. Dumbledore, o personagem de minha historia favorita, o personagem que eu tanto admirava... Era real. Estava bem diante de meus olhos.
    E eu aqui parada, sem reação.
    — Oh, perdoe a minha falta de educação, senhor — pedi, corando. — Entre, por favor, e sinta-se a vontade. — Afastei-me para dar passagem. Ele sorriu e entrou, dizendo:
    — É muita gentileza sua, Gabriela.
    Meus pais chegaram neste exato momento e encararam Dumbledore. Minha mãe provavelmente se lembraria dele — eu assisto muito aos filmes do Harry Potter e minha mãe já os viu uma vez ou outra. Mas o choque é inevitável.
    — O senhor nos acompanha no café-da-manhã? — perguntei a Dumbledore.
    — Ah, não há essa necessidade — disse o meu visitante, olhando a casa com curiosidade. — Mas certamente uma bebida cairia bem. Um suco, talvez.
    De repente, uma idéia me veio à cabeça. E eu pensei: Por que não?
    “Vi” a jarra com suco e os copos na cozinha. Tudo o que eu tive que fazer depois foi pensar no que eu queria que acontecesse com a jarra.
    E aconteceu.
    A jarra e os quatro copos apareceram e ficaram planando no ar. Minha mãe e meu pai ficaram espantados — Oh! — e Dumbledore apenas riu.
    — Fascinante! — disse.
    — Vamos para a sala, onde poderemos conversar mais a vontade — Dei as costas aos três e fui para a sala, com os copos flutuando atrás de mim. Os três me seguiram.
    Sentei-me na poltrona e cruzei minhas pernas. Meus pais compartilharam o sofá e Dumbledore sentou-se na poltrona defronte à minha. Com um olhar para a jarra de suco e para os copos, fiz com que os copos se enchessem e fossem a cada uma das pessoas presentes na sala, incluindo a mim. Dumbledore aceitou o copo sorrindo, os olhos azuis muito penetrantes brilhando em aprovação.
    — Fascinante — repetiu, admirando o copo. Na verdade, estava admirado com minhas capacidades mágicas. — Com essa maravilhosa demonstração — ele indicou o suco, com a mão, que agora eu percebia, estava carbonizada (o anel de Gaunt, a horcrux que ele destruiu) —, concluo que você já sabe do que se trata minha visita. Ou ao menos sabe parte do motivo.
    Assenti.
    — Estou aqui para responder as suas perguntas. E eu sei que você tem muitas.
    Então, ele me olhou nos olhos e eu entendi o que Harry queria dizer quando tinha a sensação de ser radiografado. E eu não duvidava que Dumbledore tivesse essa capacidade.
    — Senhor... — Eu queria muito fazer aquela pergunta, mas não queria parecer insolente ou impertinente. — Eu sou uma aberração — eu disse por fim. Não era isso o que eu queria, mas...
    — Oh, minha jovem, não diga isso — pediu.
    — Mas... Eu tenho 16 anos, senhor. É extremamente tarde para que a magia se manifeste... Além disso, senhor, a menos que eu esteja enganada, os meus poderes não são comuns. Os outros bruxos não podem fazer magia sem varinha como eu posso.
    — Não, não está enganada — confirmou. — E quanto à manifestação mágica… A magia provavelmente se mostrou presente, porém, de uma maneira tão sutil que você pode não ter percebido.
    — Não, senhor — insisti. — A magia não se manifestou de maneira alguma. Só descobri meus poderes porque realizei um feitiço.
    Expliquei a ele o que houvera no dia anterior.
    — Intrigante — comentou Dumbledore.
    — Sou uma aberração.
    Ele riu.
    — Mas é claro que não, Srta. Gabriela. Não entendo porque pensa desta maneira.
    — Ninguém tem poderes como os meus, senhor — eu disse, só então percebendo o quão verdadeiras minhas palavras eram.
    — Você tem que ver isso como uma dádiva — disse Dumbledore, seus olhinhos azuis brilhando. — Esse dom que você tem... É uma dádiva.
    Eu sabia que não adiantava questionar o que Dumbledore dizia. De qualquer forma, eu não tinha que me preocupar com isso agora. Não com as perguntas que eu precisava fazer. Não com as coisas que eu precisava saber.
    — Senhor... Eu não quero ser invasiva, mas... Pelo que sei, eu deveria ter ido a Hogwarts há seis anos... A menos que eu não vá, é claro.
    — Você está certa, você deveria ter ido há seis anos, mas eu não deixei você ir.
    Choquei. Não, sério, era pra eu ter estudado em Hogwarts desde os meus onze anos, mas... Dumbledore não deixou. Simples assim.
    Não, não é simples. Ele deve ter um motivo muito bom realmente bom...
    — Por que, senhor?
    — Oh, minha doce jovem, creio que a senhorita talvez os saiba. Faça um esforço.
    Dumbledore e seus enigmas. Eu mereço.
    Contudo, eu sabia a resposta. Sabia e entendia perfeitamente. Era tão óbvio.
    — Voldemort — eu disse apenas. Minha expressão era sombria.
    — Você não tem medo de Lord Voldemort? — Dumbledore me olhou por cima dos óculos em forma de meia-lua e seu chapéu pontiagudo se inclinou para frente. Pensei no que ele disse.
    — Não — eu disse. — Não tenho medo dele. Sei quem é e do que é capaz, mas... Não consigo sentir medo.
    Dumbledore sorriu, satisfeito.
    — Bom. Muito bom.
    — Mas e agora? Eu vou à Hogwarts?
    Dumbledore levantou a cabeça, me olhando e eu me senti radiografada novamente. Ele tomou ar, se preparando para responder, enquanto eu aguardava ansiosamente.
    — Certamente.
    Não posso verbalizar a emoção que eu senti. Deus do céu, eu em Hogwarts. Mas... Caramba! Eu aos dezessete, em uma turma com pessoas de onze.
    Legal.
    — Nossa — murmurei, desatenta.
    — Sim, senhorita? — Dumbledore com certeza sabia que havia outro motivo por trás de minha palavra. Dumbledore era Dumbledore, no fim das contas. Sempre sábio.
    — Eu... Vou estudar junto com os alunos do primeiro ano — afirmei. — Nossa.
    Dumbledore riu.
    — Não, não, não — disse. — Você vai estudar com os alunos do sexto ano, Srta. Gabriela.
    Wow.
    — Professor... O Harry está em que ano?
    Dumbledore sorriu de um jeito misterioso.
    — Sexto.
    Oh, my God.
    — Senhor... Meu Deus, esse ano... O senhor...
    — Eu sei, Gabriela. Tão bem quanto você.
    Eu estava pasma.
    — O senhor...
    — Eu já li os livros, Gabriela.
    A frieza com que ele falava... O sexto livro da série é o que ele morre! A mão negra, carbonizada... Eu devia ter percebido! Então, ele estava me levando para o mundo dele — que agora também era meu mundo — pra ajudar a todos.
    — Professor — eu disse. — Eu vou ter que impedir.
    Ele sabia do que eu estava falando e não disse nada.
    — Lamento informar, mas eu não deixarei. Vou alterar sua memória, antes de qualquer coisa, Gabriela. Tenho que preservar você.
    Era como se meus pais nem estivessem ali.
    — Não, professor. Por favor...
    — Terei de voltar para Londres esta noite — disse, ignorando-me. — Tenho assuntos a tratar com Harry.
    — Ah — eu disse, recordando. — O profº Slughorn. — Dumbledore sorriu, assentindo.
    — Exato. Terei de ir, mas voltarei para conduzi-la até o Caldeirão Furado. De lá, a senhorita pode ir até o Beco Diagonal, a Gringotes e a King’s Cross.
    — Certo.
    — Aqui está a sua lista de materiais. Não se esqueça de ir a Gringotes.
    — Ok.
    Dumbledore se pôs de pé, olhou ao redor da sala e disse:
    — É uma bela casa.
    — Obrigada. — Sorri.
    Com um aceno da varinha, vi quando os exemplares de Harry Potter e o Enigma do Príncipe e Harry Potter e as Relíqueas da Morte voaram escada abaixo, assim como os DVDs dos filmes. Eles desapareceram no ar e eu fitei onde eles desapareceram com desespero.
    — É necessário — disse Dumbledore. — E agora...
    — Espere! — Eu quase gritei. — Deixe-me dar adeus a estas memórias.
    Fechei os olhos, pesando no final de Relíqueas da Morte. Em Harry, Gina, Rony e Hermione e seus filhos.
    — Ao menos o final será feliz.
    Dumbledore sorriu.
    — O amor supera tudo. Até mesmo a maldade.
    Mais um acena da varinha e eu não lembrava o que aconteceria de hoje em diante. Lembrava do profº Slughorn, mas não sabia porque Dumbledore precisava dele.
    — Bem, tenho de ir, Srta. Gabriela. Esteja pronta no dia vinte e sete, às três da tarde.
    — Estarei.
    — Neste caso...
    — Eu o acompanho até a porta.
    Levantei-me chamando meus pais, e fomos para o hall de entrada. Dumbledore já esperava na soleira da porta aberta.
    — Foi um prazer tê-lo aqui, professor — Eu sorri.
    — Digo o mesmo. — Ele retribuiu o sorriso. — Foi um prazer estar em sua companhia.
    Ele já se virava para partir, quando se virou e disse.
    — A propósito, Srta. Gabriela, controle sua magia. O ministério não pode saber o que você faz, mas...
    — É sempre bom ter cuidado — completei. Dumbledore assentiu.
    — Até breve.
    — Até.
    E, com um estalo, ele aparatou para longe, deixando meus pais pasmos e eu em êxtase.
    Eu vou para Hogwarts.



    Nota da Autora: Espero que o primeiro capítulo tenha agradado! Aguardo comentários. Beijos, e obrigada desde já.

    Leonardo Schabbach
    Admin

    Mensagens : 879
    Data de inscrição : 20/02/2010
    Idade : 30
    Localização : Rio de Janeiro

    Re: [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por Leonardo Schabbach em Sex Fev 26, 2010 1:36 am

    Depois passa lá no fórum de apresentações e se apresenta pro pessoal te conhecer!

    Eu já conheço, sei que é uma promissora escritora e ainda bem jovem (e digo pra vocês, já li os textos, ela escreve bem mesmo). Agora, tem que se apresentar ao pessoal também!


    _________________
    Confira o Na Ponta dos Lápis: meu blog com tudo sobre literatura.

    E leia também o projeto O Legado, uma história de fantasia.
    avatar
    NotSoPure

    Mensagens : 15
    Data de inscrição : 26/02/2010
    Idade : 31
    Localização : Aracaju

    Re: [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por NotSoPure em Sex Fev 26, 2010 11:16 pm

    Muito legal tua fic! Gostei... Continua logo!

    Amy Moore

    Mensagens : 10
    Data de inscrição : 22/02/2010
    Idade : 23
    Localização : Praia Grande-SP

    Re: [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por Amy Moore em Qui Mar 04, 2010 6:06 pm

    Capítulo 2
    Protego!

    Meu malão estava pronto, minha mãe já se conformara que eu viajaria para fora do país — mais precisamente, ela se conformara com o fato de que eu era uma bruxa e que estava indo estudar magia — e eu aguardava Dumbledore no hall de entrada da casa de meus pais, inquieta. Assim que ele chegou, me despedi de minha família e os deixei chorando. Eu não podia chorar, era meu sonho sendo realizado.
    Eu estava feliz demais, embora fosse sentir falta de minha família.
    — Professor? — perguntei enquanto caminhávamos para um lugar seguro para aparatar. Era uma tarde ensolarada, tipicamente brasileira, e havia pessoas nas ruas. Trouxas. Eles encaravam o excêntrico senhor que caminhava ao lado de uma jovem aparentemente normal. Mas só aparentemente.
    — Sim?
    — Por que meus poderes são... Assim? — questionei. Eu realmente queria a resposta para esta pergunta em particular. Eu não conseguia entender por que motivo eu tinha esse tipo de poder, se ninguém mais tinha. Não havia nada de especial em mim. Eu era uma simples nascida trouxa, sem descendência bruxa, assim como Hermione. Mas por que eu não tinha poderes normais, como os de Hermione?
    Dumbledore mirou o horizonte pensativamente.
    — É uma boa pergunta — disse. — Gostaria de poder respondê-la. Mas por que você acha que são assim?
    Dumbledore. Sempre querendo nos ver achando respostas para tudo, mesmo quando não fazemos ideia de qual poderia ser a resposta.
    — Não faço a menor idéia — eu disse. — É tudo muito irreal... Difícil de aceitar.
    — Compreendo.
    — Há restrições a minha magia sem varinha? — Perguntei. — Há algum feitiço que eu não possa executar?
    — Isso é você quem vai me responder — disse Dumbledore.
    O silêncio caiu sobre nós e logo estávamos aparatando, sob a sombra de uma velha árvore, longe dos olhares curiosos e assustados dos trouxas que nos rodeavam. E eu estava senda guiada, é claro.
    O Caldeirão Furado não era diferente do que eu imaginara. Nem o Beco Diagonal, diga-se de passagem. Dumbledore disse que um auror viria me buscar para me conduzir a Hogwarts no dia de aula. E eu esperaria ansiosamente por este dia.

    Acordei muito feliz. Era o dia em que eu, finalmente, iria à Hogwarts. Passei o dia todo impaciente, olhando pela janela de minuto a minuto, esperando o dito auror aparecer. E eu fiquei ainda mais nervosa e ansiosa quando vi que o auror mandado por Dumbledore estava ficando atrasado. Olhava em meu relógio de pulso a cada minuto, não ma agüentando mais de tanta ansiedade.
    Ele já estava 10 minutos atrasado.
    O banquete de boas-vindas já deve ter começado. E eu aqui.
    Eu andava de um lado para o outro no pequeno quarto do Caldeirão Furado, com minhas vestes bruxas de Hogwarts (lindas), quando o auror que me era desconhecido finalmente chegou. 30 minutos atrasado. Perfeito.
    Nós aparatamos até Hogsmead (o povoado era mais perfeito do que eu tinha imaginado). Caminhamos até o castelo (caramba, o castelo é muito maior que nos filmes, se é que isso é possível). Minhas coisas provavelmente já estavam lá, me aguardando.
    Não irei descrever o castelo ou suas proteções porque todos já devem conhecer. Se não, procure no Google (ha-ha).
    Eu podia ouvir a voz de Dumbledore vinda do salão principal, que parecia estar vazio, tamanho era o silencioso respeito com que aguardavam que seu diretor dissesse tudo o que tinha a dizer. Contudo, eu sabia perfeitamente bem que o salão estava completamente apinhado de gente.
    — Agora... As boas-vindas aos alunos novos; bom retorno aos alunos antigos! Mais um ano de muita educação mágica aguarda à todos...
    Neste exato momento, Filch, o zelador, chegou perto de mim sem que eu o percebesse e empurrou as grandes portas para o salão principal antes que eu pudesse impedi-lo. As portas fizeram bastante ruído ao se abrirem.
    É, eu não mereço.
    Meu sangue desapareceu. Caramba, que mico monstruoso foi esse?! Dumbledore estava discursando e eu interrompi o discurso! Todos no salão se viraram para ver a menina com pele clara, de cabelos escuros, com os olhos da mesma cor querendo saltar das órbitas, tamanho era o pavor que combinava com a expressão no rosto.
    Silêncio. Foi o que se seguiu.
    — Já não era sem tempo! — disse Dumbledore com um sorriso caloroso. — Pensei que não viria mais...
    Eu procurei minha voz, juro que procurei. Mas não tinha como encontrá-la: centenas de bruxos e bruxas estavam me encarando.
    — Profª Mcgonagall, a senhora poderia fazer a gentileza de buscar o Chapéu Seletor? — pediu gentilmente o profº Dumbledore.
    Era o que faltava para os ouvintes ávidos. O salão inteiro disparou em burburinhos, todos claramente comentando sobre mim. Eu os entendia perfeitamente. Dava para ver que eu era velha demais para ser uma aluna do primeiro ano. O sangue voltou ao meu rosto, queimando sob a pele e me deixando feito um pimentão.
    Que vergonha.
    Logo a profª Mcgonagall entrou no salão com o Chapéu. Ela olhou para mim, claramente me incitando a ir até ela. Foi o que fiz. Caminhei pelo corredor entre as mesas da Grifinória e Lufa-Lufa, sabendo que cada olhar estava em mim. Procurei por Harry e seus amigos com os olhos, enquanto caminhava, mas não os encontrei. Contudo, ao olhar para a mesa da Sonserina num relance repentino, a primeira pessoa que vi foi Draco Malfoy.
    O próprio.
    Ele olhava para mim fixamente, seus olhos cinza fitando-me com curiosidade. Desviei meus olhos, meu coração mais acelerado ainda e quase corri até a profª Mcgonagall.
    Deus do céu. Que menino mais...
    Ela colocou Chapéu Seletor em minha cabeça e ele soltou uma exclamação:
    — Ah! — Eu me assustei. — Ah, você deve estar brincando. Como um velho chapéu pode descansar desse jeito?!
    Eu fiz uma careta.
    — Ora, vamos ver — disse o chapéu. — Difícil, muito difícil. Uma mente nada má... Tem talento. É corajosa... Mas onde vou colocá-la?
    Eu já ouvira algo parecidíssimo antes vir deste mesmo chapéu. Ah, você sabe... Harry Potter e a Pedra Filosofal.
    — Sonserina seria uma ótima opção.
    Tá, isso já esta ficando ridículo.
    — Não quero ir para a Sonserina — eu disse em voz alta, confiante. Pude ouvir murmúrios de desaprovação vindos da mesa da Casa que eu rejeitara. E pude ver Malfoy arqueando a sobrancelha, incrédulo.
    — Bem, se não quer ir para a Sonserina, então vai ser...
    Pausa dramática.
    Grifinória!
    A mesa citada aplaudiu e a profª Mcgonagall tirou o chapéu da minha cabeça, sorrindo orgulhosamente. Afinal, esta era a Casa dela, a Casa que ela dirigia.
    Caminhei até onde sentaria com meus novos colegas pelos próximos tempos. Logo encontrei Harry e Rony com meus olhos — eles são lindos demais — e depois vi Hermione. Ela também é muito bela, mas sorry, eu não gosto de ficar admirando a beleza feminina.
    — Hey! — disse Simas, para mim. — Sente-se aqui! — E empurrou Harry para o lado. Eu ri.
    — Tem algum problema? — perguntei a Harry. Ele gaguejou ao me olhar.
    — Não, claro que não.
    Gina me fuzilou com o olhar. Tentei não rir. Era extremamente engraçado ver seus ciúmes. Para ela, eu era só uma estranha intrometida. O que ela não sabia era o quanto eu sabia sobre sua vida.
    — Oi — eu disse para ela e para os outros. — Eu me chamo Gabriela. Gabriela Muniz.
    — Simas Finnigan — ele se apressou em dizer.
    — Neville Longbotton.
    — Luna Lovegood.
    — Hermione Granger.
    — Rony Weasley.
    — Gina Weasley.
    — Harry Potter.
    Acompanhei com o olhar cada pessoa conforme falavam os nomes. Eu já saberia dizer quem eles eram, mas eu sabia que eles iriam achar que eu era um ET se eu chegasse falando tudo o que eu sabia sobre eles. Eu tinha que tentar ser normal.
    Meus olhos pararam em Harry e ele ficou me olhando com aqueles olhos muito verdes. Eu não sabia o que eu via em sua expressão — eu só admirava a beleza. Só parei de olhá-lo quando Dumbledore voltou a falar.
    — O Sr. Filch, nosso zelador, me pediu para avisar que estão banidos...
    Ele continuou discursando e eu prestei atenção. Quando ele acabou (se despedindo), todos começaram a sair do salão e eu fiz o mesmo, seguindo aqueles com quem havia falado.
    — Você não é meio velha para estar no primeiro ano? — Simas quis saber.
    Eu ri. Havia muita gente prestando atenção em mim. Percebi que eu seria meio que uma novidade por um tempo.
    — Estou no sexto ano, Simas — eu disse. Quando vi sua expressão, acrescentei, acenando com a mão, dando pouco crédito ao assunto. — Longa historia.
    Não surpreendentemente, todos cochicharam ao ouvir isso, menos os que me acompanhavam. Talvez fosse demais para eles falar de mim na minha frente.
    Pelo menos isso.
    Vi Harry, Rony e Hermione se afastarem e logo lembrei o que se passara com Harry no trem. O que Malfoy lhe fizera.
    Eu senti algo estranho, que nada tinha a ver com essa lembrança. Era algo totalmente diferente. Uma sensação... De que algo estava para acontecer comigo. Então, instintivamente, me virei e vi Pansy Parkinson com a varinha apontada para mim. Agi também por instinto ao erguer a mão para ela, como se pudesse impedi-la.
    Protego! Pensei.
    Vários furúnculos estouraram na face garota.
    Então era isso o que ela faria comigo. O meu feitiço escudo fez com que o feitiço dela se voltasse contra ela. Todos estavam nos olhando.
    — Como ela fez aquilo?
    — Ela estava sem varinha!
    — Sem varinha?!
    Eu estava paralisada, sem saber o que fazer.
    E tinha revelado meu único e maior segredo.
    Continua...



    Nota da Autora: Resolvi postar logo, pois eu gosto dessa fic a partir do 4º capítulo... É aí, em minha opinião, que as coisas começam a esquentar...

    NotSoPure, obrigada por ler a fic! Espero que ela não te desaponte...

    Leonardo, obrigada por tudo ^^

    Até breve!

    Amy Moore

    Mensagens : 10
    Data de inscrição : 22/02/2010
    Idade : 23
    Localização : Praia Grande-SP

    Re: [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por Amy Moore em Sab Abr 03, 2010 8:28 pm

    Bem, eu não vou mais estar postando aqui ^^ Se você leu e gostou, deixo aqui um link onde você pode estar acompanhando o andamento da fanfic. E se for o caso, posso estar avisando por aqui quando houverem atualizações.

    Se você não gostou disso e quer que eu poste aqui, me xingue, eu deixo -n

    Link da fanfic: http://fanficobsession.com.br/fictions/bleedinglovelifelies.html

    Caso queria ver se tem atualizações no site em que posto, pode ver por aqui também: http://fanficobsession.com.br/

    As atualizações desse site são em dias alternados.

    xx

    Conteúdo patrocinado

    Re: [Amy Moore] Bleeding Love Life Lies, fanfic baseada em Harry Potter

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Dom Dez 17, 2017 6:55 am